Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

previsões

Tão inevitáveis e indesejadas quanto uma crónica do Carlos Castro, aí estão as previsões para dois mil e nove, para me fazerem acordar a meio da noite a reflectir como é que nós, Humanidade, esperamos evoluir com estas manias do ano novo, manias essas que podem ser divididas em dois grupos. O primeiro, de quem começa o ano a apontar previsões para o novo ano, algo irrisório, porque nem é necessário explicar como não é possível fazer previsões para algo tão destituído de razão, lógica ou intuição quanto a Vida. E em segundo, quem começa o ano a apontar quem aponta previsões, algo num patamar ainda maior de inutilidade, como se fosse, enfim, necessário explicar que não é possível fazer previsões para algo tão destituído de razão, lógica ou intuição quanto a Vida! Felizmente que existo eu, o terceiro género, aquele que aponta tanto quem aponta, como os que apontam quem aponta.

 

Nisto do Ano Novo sobejam, de resto, duas questões. A primeira porque não se percebe como, tendo o ano trezentos e sessenta e cinco dias divididos em doze meses, isto dos mais sinceros votos de um espectacular ano seja deixado, no máximo, até ao segundo dia do primeiro mês do ano. E os restantes trezentos e sessenta e três dias, não contam? Porque é que ninguém me deseja um máximo ano, sei lá, em Agosto, quando está um tempo muito mais agradável e muitos mais decotes andam por aí? Não pode haver melhor altura para deixar os votos de um inefável ano que durante o Verão, quando anda toda a gente leve e airosa, mas insistem nesta patranha de deixar os votos de um inenarrável ano durante o Inverno, quando chove, andam todos carrancudos e o metro de Lisboa é um inferno pegajoso de humidade.

 

Mais ainda, porque não se percebe exactamente que votos de um "bom" ano são esses, um voto tão críptico e rebuscado que se torna óbvio que quem o lança não tem qualquer noção de operacionalização de conceitos, delineação de estratégias, ou sequer visão de médio e longo prazo. Não basta lançar votos, é necessário perceber exactamente o que se percebe por isso de "bons" votos, como desenhar uma estratégia de convergência dos diversos actores sociais na busca desses objectivos, e em que intervalos de tempo se devem questionar e quantificar os objectivos propostos. Sem isso, são apenas votos a abençoar a minha vida nos dois primeiros dias do ano e a amaldiçoá-la nos restantes trezentos e sessenta e três. É por isso que não vou aqui deixar nada disso de um trascendente ano para todos, não, os meus votos vão para o que realmente importa: para todos uma grandiosa vida de óptimos empregos e sexo espectacular.

 

Etiqueta:
publicado por Rui às 21:03
ligação | comentar

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30
31


Pesquisar

 

Arquivos

Março 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Artigos recentes

assim a modos que daquela...

coisas em que não se pens...

também é verdade

os anéis no céu

P.A.C. Man

no trabalho

emoções

à procura...

#1

intenções

RSS

:.