Sexta-feira, 23 de Maio de 2008

Não vale a pena ler isto...

Não vale mesmo a pena ler isto. O facto é que o escrevi há uns dias. Apenas para comprovar que o animal "Blog" é o mais próximo que o vulgar mortal com magro ordenado tem de Terapia. Ouvimos dizer isto da boca de um "adulto" na altura em que não o éramos. E funciona! Nada como pôr para fora o que não interessa para ficar o que interessa. Simples triagem de lixos...

 

"Já não sou quem era", diz a canção. Mas também não sei quem sou. Dilema idiota adolescente ou de adolescente idiota, bem sei. Mas tenho a distinta certeza de não fazer a mínima ideia de "quem" ou "o que" sou.

Sou professor, é certo. Se bem que uma profissão nunca definiu uma alma. E a grande maioria das vezes não sinto que tenha ensinado o que quer que seja a quem quer que seja. Apenas costumo ser chamado de professor pelos corredores da escola.

"Desfolho" o meu blog de poesia, o Porta para Dentro, e fico com a mais positiva certeza que não sei quem terá escrito tais versos. Mas sei que o invejo. Todos falam duma tal musa, duma paixão pela escrita que não conheço em ninguém à minha volta ou dentro de mim. A porta para dentro está perra, madeira inchada pela humidade açoreana. Mas já se tinha trancado havia muito tempo antes disso...

Nessas tentativas banais de re-entrar em mim, espreitando nas vidraças como um puto guloso na montra duma loja de bolos, dou por mim a reparar em pequenos problemas óbvios na minha casa: deixei de ter hobbies, aqueles que se esfarrapam todos ao ser traduzidos para um banal "passatempos". O meu tempo passa, sim. Tenho dias que julgo terem dez horas apenas e outros em que nao lhes vejo o fim (talvez se equilibrem e no fim acabe por viver o mesmo número de anos que qualquer um de vós). Mas em qualquer um desses dias, em cada uma dessas jornadas sinto que, malogradamente os meus esforços, não existi.

Não fui.

Não fiz.

Qualquer um desses dias teima em voltar ao meu porto, ancorar o seu casco sem nunca me trazer de volta como passageiro.

Não estou.

Passo horas a fio na sala de espera de mim mesmo sentado defronte um documento aberto do Word ou um qualquer caderno solícito e teimosamente branco para (por volta da hora em que tenho que pensar como sobreviver ao dia seguinte) alguém me ver dizer que eu hoje já não virei e que terei que voltar noutro dia.

Esqueço-me de tudo. Não tenho lembrança da última boa ideia que tive e que não se tivesse desvanecido no fumo de um virar de assunto. "É só uma fase", repito a mim mesmo. Mas não adianta. É evidente que não estou lá para ouvir.

E é aproximadamente nesta altura em que começo a confundir Introspecção com Egocentrismo. "Eu, Eu, Eu..." ... "Mim, Mim, Mim..." E não consigo deslindar essa estrita fronteira. Como entrar em mim sem levar gananciosamente para dentro tudo aquilo que foi ficando trancado do lado de fora da porta emperrada? Carrego tudo isso pela janela adentro, ladrão invertedido que sou.

A falta de espaço não será problema: o Vazio escarranchou as pernas no único sofá e não dá o comando da TV a ninguém. Só tenho que o expulsar. Talvez faça uma cena de histérico despeitado, traído numa ausência, e lhe atire artigos de blog desconexos que se vão estilhaçar na parede atrás dele, como sempre acontece nestas alturas.

Talvez a minha musa o expulse por mim... Ou talvez não...

Eu tenho que regressar primeiro, descobrir (como todos temos que fazer a dada altura na vida) até onde devemos nadar com bóia e até que ponto só chegaremos a terra firme se esbracejarmos sozinhos. Creio que o equilíbrio entre os dois é o que nos mantém à tona: A bóia não pode ser tudo, não pode ser o nosso mundo. Mas nadar sem pé, em mar alto, cansa, afogamo-nos lentamente.

Tenho necessidade de ser eu. Tenho que existir. Saltar atrás de um repórter num qualquer directo televisivo não chega. Tenho que escrever no muro descascado do mundo "Eu Estive Aqui!", nem que seja com spray da loja dos trezentos...

publicado por Luís às 21:11
ligação | comentar
2 comentários:
De impressoesdigitais a 27 de Maio de 2008 às 21:49
A mim parece-me que este artigo pode ser o primeiro passo...


De Luís a 13 de Junho de 2008 às 09:58
Apontamento para mim mesmo: Este artigo saiu na véspera de surgir a hipótese de fazer o cartoon para o Expresso das Nove...


Comentar post

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30
31


Pesquisar

 

Arquivos

Março 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Artigos recentes

assim a modos que daquela...

coisas em que não se pens...

também é verdade

os anéis no céu

P.A.C. Man

no trabalho

emoções

à procura...

#1

intenções

RSS