Sexta-feira, 7 de Março de 2008

AR

À entrada, fileiras de jovens ansiosos agitavam os telemóveis, discutiam o programa, enfileiravam-se para a fotografia. Os seguranças esforçavam-se por manter a ordem, entre ordens berradas e exigências de identificação. De viaturas de alta cilindrada, saíam figuras conhecidas que agitavam as hostes ululantes. "Olha, aquele não é...?". "É, sim! E está com o...!". O último Sporting - Benfica? O concerto dos Tokyo Hotel? Não, era mesmo o plenário da Assembleia da República, a instituição onde todos os dias (excepto fim-de-semanas, feriados e finais da Liga dos Campeões entre Porto e Mónaco), se decidem os destinos do país, por entre intricadas reviravoltas legislativas e complexas argumentações lógico-dedutivas. E antes de começar, nenhuma das reconhecidas deputadas do BE, Ana Drago ou Joana Amaral Dias, estavam presentes. Facto que, esse sim, merecia um minuto de silêncio e profundo pesar, não aquilo do professor Joel Serrão. Enfim, critérios.


De resto, uma desilusão. Repare-se que, apesar da importância dos assuntos debatidos, nem um único insulto foi proferido contra os deputados. Nem um "Isto é um escândalo!" disparado das bancadas. Nem ao menos uma cuspidelazinha para o hemiciclo.  Para mim, que já tinha ensaiado toda uma orquestra que ia desde o "Muito bem, muito bem!" até ao "Malandros! Isto é tudo uma cambada!", nada restou que não um vazio no coração. Ah, sim, três anos de prisão para quem fizer desacatos, explicitamente explicado no folheto entregue à entrada, mas mesmo assim, um escândalo!, que tudo seja tão civilizado. Outra foi Santana Lopes. O preconceito que tinha metia Jerónimo de Sousa como um homem aguçado pela vida, Francisco Louçã como alguém de argumento afiado, e o líder da bancada do PSD como um homem de presença, de postura delineada pela Caras e pela Cinha e pelos colos. Se os líderes da esquerda até confirmaram as ideias, o líder da bancada do PSD caminha encurvado, atrofiado, a cabeça baixa, o olhar de animal assustado. Talvez haja toda uma série de divertidas observações para este facto, mas a verdade é que não me ocorre nenhuma.

 

E quanto ao Governo? Ninguém estava presente. O que é prova mais que suficiente que estavam, todos eles, numa praia ensolarada nas Bahamas, a beber pinas coladas enquanto se riem do lusitano povo que lhes está a pagar as férias. Malandros. É tudo uma cambada!

 

Etiqueta:
publicado por Rui às 16:00
ligação | comentar

Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

29
30
31


Pesquisar

 

Arquivos

Março 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Maio 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Artigos recentes

assim a modos que daquela...

coisas em que não se pens...

também é verdade

os anéis no céu

P.A.C. Man

no trabalho

emoções

à procura...

#1

intenções

RSS